Nos sentimos bem quando as pessoas se colocam em nosso lugar, então, por que é tão difícil nos colocarmos no lugar dos outros também…?

A resposta é porque infelizmente, tal atitude é muito difícil de acontecer, e ficamos até surpreendidos quando alguém age de maneira empática conosco. Quando o oposto deveria ser a regra, ou seja, sermos empáticos, sempre.

A empatia é uma capacidade de percepção e refere-se ao fato de compreender aquilo que outro indivíduo está sentindo. Portanto, as pessoas que têm um nível mais alto de empatia são as que sabem ler melhor os outros através das palavras, da linguagem não verbal, da expressão facial e do seu tom de voz. Mas, como ser empático? A primeira coisa a fazer é conseguir se colocar no lugar do outro, sabendo escutar atentamente e mostrando autocontrole quando necessário.

Para se converter em uma pessoa empática é importante chegar a entender os outros, as suas opiniões e os seus pontos de vista, assim como considerar as circunstâncias nas quais se encontra e inclusive a sua educação e cultura, pois esta é a base na qual fundamenta a sua filosofia e provavelmente grande parte de suas decisões.

Além de identificar o seu estado de humor, um ser empático encontra os motivos pelos quais a outra pessoa se encontra assim. Desta forma conseguirá compreender a profundidade da situação que a pessoa está vivendo, ou seja, o que representa ou significa para ela essa experiência.

Além disso, lembre-se que quando se trata de falar com essa pessoa tem de tomar cuidado e usar a delicadeza para não ferir os seus sentimentos e mostrar um interesse sincero; este fato relaciona-se também com ser uma pessoa melhor a cada dia.

A empatia tem a ver com a atenção que prestamos aos outros. Portanto implica escutar, se mostrando interessado no que o outro indivíduo tem a dizer. Às vezes não é fácil abrir o coração. Para alguns parece mais simples que para outros, mas deve compreender que não somos todos iguais. Por isso, a sua obrigação como ser empático é respeitar os outros e deixar que falem, sem interromper bruscamente enquanto o fazem.

Os empáticos são capazes de reciclar o pessimismo, a sisudez e superam a necessidade neurótica de estar acima dos outros. São pais cativantes, filhos compreensivos, professores marcantes, cônjuges que irrigam o afeto, executivos que libertam a criatividade dos seus liderados. São ecologistas do meio ambiente emocional, criam um microclima que impera a serenidade e não as disputas. Tal como os carismáticos, não perdem a oportunidade de expandir ou realçar as características saudáveis dos seus íntimos, mesmo as que aparecem momentânea e superficialmente.

Os empáticos recolhem as armas do pensamento. São lentos para condenar e rápidos para compreender. São inteligentes, têm a consciência das várias distorções pelo estado emocional, social e intelectual. Como propulsores da maturidade, eles sabem que a verdade é um fim inatingível.