Acordei no segundo dia me sentindo confusa. Uma mistura de felicidade, medo, insegurança, e também um novo sentimento, que até então estava bem tímido dentro de mim, a esperança. Alguma “coisa” em mim havia sido tocada. Algo que pedia por carinho e acolhimento há muito tempo. Hoje reconheço que era minha essêcia pedindo socorro, mas na época, ainda não fazia a menor idéia. 

O relógio marcava cinco da manhã. Lá fora estava frio e bem escuro ainda, mas mesmo assim, eu precisava sair e ir para a sala de meditação. Me sentia atraida por ela, por sua Paz e Tranquilidade. Levantei, peguei minhas coisas e segui para lá. Não havia ninguém ainda. Estavamos sós, apenas eu e ela, com suas flores, almofadas, colchonetes, velas e imagens. Por falar em velas, havia apenas uma acesa, iluminando um lindo porta retrato. Fiquei com uma enorme vontade de acender as demais mas me conti, afinal de contas, estava chegando agora, não conhecia as regras do local. Me ajoelhei em frente aquela linda imagem e comecei a rezar. Na verdade foi mais uma conversa do que uma oração. Mas foi uma das melhores conversas da minha vida (logicamente com algumas lágrimas). Não me lembro de ter chorado tanto como nessa semana, mas foi libertador! 

Terminei minha oração, fiz uma reverência, encostando minha testa no chão em sinal de entrega (como uma pessoa havia me ensinado no dia anterior). Entrega de pesos que não precisava carregar mais. Me levantei e sentei sobre uma almofada para meditar,  mas as velas apagadas ainda me incomodavam. Olhei para os lados, não havia ninguém. Levantei novamente, peguei uma caixa de fósforos que estava bem guardada atrás das flores a acendi as velas que faltavam. Agora sim, satisfeita, me virei para voltar a  almofada, mas dei de cara com uma das pessoas que trabalham no local. Fiquei vermelha de vergonha e congelada com a certeza absoluta de que levaria uma bronca (como criança que é pega no exato momento da arte realizada). 

Mas aquela pessoa simplesmente sorriu para mim (lógico que sentiu minha aflição, ela era praticamente palpavel), agradeceu por ter acendido as velas e seguiu até uma extremidade da sala sorrindo e se sentou em silêncio. Mergulhei na minha almofada, fechei os olhos e tentei meditar. Imagens vinham a minha mente, e eu podia ouvir meu coração ainda acelerado pela aventura que acabara de realizar. Meditar assim parecia impossivel. Então comecei a repetir em minha mente um mantra que havia aprendido no dia anterior. Aos poucos minha mente foi se acalmando e quando dei por mim, já haviam várias pessos na sala. 

Acompanhei as atividades da manhã me sentindo mais leve. Ao final, saimos para tomar o delicioso café da manhã. Nesse dia me permiti conhecer outras pessoas e conversar (como gente), ao contrário do primeiro dia, que passei dentro da minha concha. 

Após o café, partimos para o salão grande, onde assistimos a um filme muito interessante seguido por explicações maravilhosas da pessoa responsável pelo local. Aquela voz me trasmitia uma Paz deliciosa e as lágrimas escorriam livremente. Após as explicações fomos divididos em grupos para uma outra dinâmica, onde tive que “conversar” com sentimentos e emoções até então escondidos dentro de mim…(continua…)