(continua…)

Cinco da manhã. E lá estava eu na sala de meditação, joelhos no chão, olhos fixos na luz da vela e na imagem do porta retrato. Lágrimas nos olhos, mãos em prece e um receio no coração. Era o último dia dessa primeira semana, e embora soubesse que voltaria em seis meses, estava com medo de sair dali. De voltar para a relidade que me aguardava. Me sentia bem melhor, estava esperançosa, sem dúvida, mas não estava forte o suficiente, ainda, para voltar. 

Inclinei meu tronco até a testa tocar o chão e Entreguei minha Vida a Deus. Que Ele me indicasse por onde seguir. Sentei em posição de meditação, fiquei em silêncio e orei, como todo meu coração. 

 

A manhã foi muito gostosa, mas tudo se passou muito rápido, pois me entreguei tanto `a dinamica que realizamos que não senti o tempo passar. Após o almoço voltamos para o salão. Havia uma Energia diferente no ar. Sabíamos que iríamos embora e estavamos aproveitando as ultimas horas juntos com muita Empatia, Afeto e Integração. Os vínculos que criamos nesse local permanecem até hoje e não somos apenas pessoas conhecidas, que participaram de uma experiência em comum, somos irmãos de Alma, companheiros de caminhada pela Vida. E isso não tem preço. 

Aquela semana foi o marco inicial de toda mudança que ainda aconteceria em minha vida e eu não fazia idéia disso na época. Aliás, minha vida já havia começado a mudar, sem que eu soubesse. 

A dinâmica da tarde, que aliás, se extendeu até a noite, foi bem profunda (para variar um pouco). E lá fui eu, tocar as emoções escondidas dentro de mim. Descobri que possuia mais preconceitos e crenças limitantes do que eu gostaria de admitir. Tentando quebrar minhas resistências, fui até onde consegui naquele momento, pois precisava voltar com menos peso na alma e no coração. Durante as vivências, presenciavamos os desafios de cada um e nos apoiavamos mutuamente o que tornava tudo menos desafiador. 

Após o jantar, a noite foi fechada da maneira mais gostosa possivel. Cantamos, dançamos, conversamos, sorrimos, choramos, ou seja, nos permitimos ser Humanos, sem máscaras, sem nada nos impedindo de ser quem realmente somos, e isso é um dos melhores presentes que podemos nos dar. 

Fomos dormir já de madrugada, com o coração leve e repleto de Gratidão!